A serviço da sociedade

Universidade se mobiliza para enfrentar pandemia de coronavírus

Ao completar 45 dias de suspensão das atividades presenciais, a UFRRJ tem dezenas de iniciativas para prevenção e combate à Covid-19. As ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas por professores, técnico-administrativos e estudantes de diversas áreas do conhecimento trazem benefícios diretos para a população, como a doação de álcool 70% para instituições de saúde, e já apresentam resultados práticos, como a criação do programa XRayCovid-19, que utiliza inteligência artificial para apoio ao diagnóstico da doença.

“A Rural está viva com suas inúmeras ações de elevado impacto”, afirma o reitor Ricardo Berbara ao mencionar a importância da atuação universitária, especialmente para as áreas que abrigam a instituição. “A Universidade é uma sólida referência acadêmica, científica, cultural e política para a Baixada Fluminense, a Zona Oeste e a Costa Verde”, complementa.

Com dois de seus maiores câmpus sediados em Seropédica e Nova Iguaçu, a Rural desempenha papel fundamental na compreensão dos desdobramentos da pandemia na Baixada Fluminense. O site do programa de pós-graduação em Humanidades Digitais é um dos instrumentos utilizados para sistematização e análise de dados sobre o avanço da doença na região.

Leandro Dias de Oliveira, professor associado do Departamento de Geografia, explica que a alta densidade demográfica, a negação e desconhecimento dos reais impactos da Covid-19 e a profunda carência de dados relacionados à Baixada, ampliam o cenário de incertezas e apreensões nas cidades da região. “É fundamental não permitir que os efeitos da pandemia, após expandir as fronteiras das partes mais ricas da cidade do Rio de Janeiro, sejam invisibilizados ou relativizados nas áreas mais pobres”, ressalta.

Dedicação

A busca por soluções para os desafios impostos pela pandemia só é possível graças ao empenho de servidores públicos e de estudantes ruralinos. A docente Jaqueline Rocha, coordenadora do PET Saúde-Interprofissionalidade, resume o que significa estar atuante em um momento como este. “Contribuir diretamente para o enfrentamento da Covid-19 significa o exercício da cidadania, o exercício como profissional da saúde, o exercício docente e o exercício como servidora pública, colocados em sua plenitude para devolver conhecimento que seja capaz de transformar a vida das pessoas”.

É importante destacar que, ao apoiar o isolamento social e readequar suas rotinas de trabalho, a UFRRJ viabiliza, de um modo mais seguro, a execução das pesquisas e das ações de extensão, além de contribuir para o bem-estar e a saúde da comunidade. “O posicionamento assumido pela Universidade nos conforta e nos dá segurança para continuar a trabalhar”, afirma Kamila Lemos Costa Barros, coordenadora da Casst – Coordenação de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho.

Opinião compartilhada pela estudante do 9° período de Engenharia Florestal e integrante do PET Floresta, Bianca de Oliveira André. “Continuar trabalhando à distância significa muito para mim. Sinto que estou contribuindo com a minha universidade e com a sociedade como um todo, levando informações e maneiras de lidar com esse momento de distanciamento social”.

Compromisso social

A atual crise sanitária atesta a importância de a Universidade transmitir conhecimento de maneira compreensível para a população, investindo em iniciativas de popularização da ciência e de combate às fake news. Para a docente Alessandra de Carvalho, coordenadora da CCS – Coordenadoria de Comunicação Social, as ações de comunicação das instituições de ensino e pesquisa no combate às notícias falsas são mais que necessárias.

“Na Rural estamos atentos ao tema e contribuindo com o espalhamento de informações que mostram o que é falso ou de esclarecimentos sobre notícias com potencial de causar confusão”. Sobre a possibilidade de um aumento de iniciativas de divulgação científica em um cenário de pós-pandemia, a docente menciona que seria excelente um movimento natural em direção à compreensão da importância de mostrar a sociedade o que produzimos na Universidade.

O momento atual também deverá contribuir para o aumento da confiança do brasileiro na ciência. “São nas Universidades e centros de pesquisa que se buscam informações seguras e esperanças para que terapias sejam desenvolvidas para enfrentarmos a pandemia. Se alguém tinha dúvidas sobre papel estratégico da ciência no desenvolvimento de nosso país e do mundo, não tem mais”, conclui o reitor Ricardo Berbara.

 

Para conhecer as frentes de trabalho da UFRRJ no combate à pandemia de Covid-19, acesse http://coronavirus.ufrrj.br/

 

Texto: Michelle Carneiro.

Foto: Ana Carolina de Souza Campos.


Postado em 30/04/2020 - 20:04
Skip to content