Upat amplia e diversifica produção de máscaras na UFRRJ

Projeto de produção de máscaras na UFRRJ ampliou o quadro de voluntários de duas para 25 pessoas

A Unidade de Produção de Artigos Têxteis (Upat), vinculada ao Departamento de Economia Doméstica e Hotelaria (DEDH/ICSA/UFRRJ), ampliou e diversificou a produção de máscaras de proteção, iniciada em 2 de abril. O projeto, que conta com apoio do Fundo Fapur de Atenção à Covid-19, iniciou a confecção das unidades com a matéria-prima Tecido Não Tecido (TNT). Mas a partir de 20 de abril, passou a fabricar máscaras de tecido 100% algodão, seguindo recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

Além disso, o projeto ampliou o quadro de voluntários de duas para 25 pessoas, que ajudam na montagem, distribuição e higienização das máscaras. De acordo com a Upat, a divulgação no Portal da UFRRJ e nas mídias sociais da Universidade foi importante para conquistar novos colaboradores (clique aqui para ler a matéria que publicamos).

 

A seguir, reproduzimos texto da Unidade, que faz um histórico do projeto até aqui e traz os números atualizados dessa inciativa que vem atendendo tanto a comunidade interna quanto instituições dos municípios do entorno.

 

A busca pela sustentabilidade

 

Por Unidade de Produção de Artigos Têxteis (DEDH/ICSA/UFRRJ)

 

No dia 2 de abril de 2020, a Unidade de Produção de Artigos Têxteis (Upat), vinculada ao Departamento de Economia Doméstica e Hotelaria (DEDH), em parceria com o Fundo Fapur de Atenção à Covid-19, iniciou um projeto para produção de máscaras faciais com o objetivo de atender a comunidade acadêmica da UFRRJ e contribuir com o compromisso de responsabilidade social da Universidade no enfrentamento da Covid-19.

 

Inicialmente, as máscaras eram apenas confeccionadas em Tecido Não Tecido (TNT), o que lhes confere a caraterística de uso único. A escolha do TNT se deu em função de seu baixo custo, disponibilidade no mercado regional e pela sua facilidade de manejo, pois é uma matéria-prima que não desfia e facilita a costura. No entanto, as máscaras desse material não podem ser reutilizadas, tendo alto impacto na geração de lixo. Ademais, se não forem descartadas em saco plástico lacrado, as máscaras de TNT podem contribuir para a disseminação da Covid-19.

 

Conforme a Anvisa, em 3 de abril de 2020, a máscara caseira é um equipamento simples, que não exige grande complexidade na sua produção, além de eficiente, desde que sejam seguidas especificações como: ter pelo menos duas camadas de tecido de algodão; ser de uso individual por, no máximo, duas horas ou até ficar molhada; cobrir totalmente a boca e nariz, e estar bem ajustada ao rosto, sem deixar espaços nas laterais.

 

A partir do dia 20 de abril – seguindo as recomendações da Anvisa e buscando alcançar a sustentabilidade social, ambiental e econômica – a Upat introduziu a produção de máscaras de tecido 100% algodão. O novo modelo incluiu alças feitas em malha elástica, que podem ser obtidas a partir de resíduos da indústria têxtil, o que reduz o custo final do produto e o impacto ambiental. Além disso, a máscara possui uma abertura superior que possibilita a introdução de material filtrante, aumentando a segurança de seus usuários.

 

No total, de 2 de abril a 5 de maio, foram cortadas 5.200 máscaras de TNT e 1.311 de tecido 100% algodão, resultando em um quantitativo superior a 6.500 máscaras, parte delas ainda em processo de confecção e higienização.

 

Ampliação do número de voluntários

 

Nas semanas iniciais, o projeto contava com a colaboração de duas voluntárias no setor de costura. No entanto, após a divulgação da ação no site da UFRRJ e em outras mídias sociais, o quadro de voluntários foi ampliado para 25 pessoas que passaram a atuar nos processos de montagem, distribuição e higienização das máscaras.

 

Dentre os voluntários estão alunos, ex-alunos, funcionários em atividade e aposentados da UFRRJ. Pessoas que doam seu tempo e mão de obra para colaborar com o projeto. Em muitos casos, a confecção das máscaras é realizada no período noturno, quando o voluntário retorna de sua atividade laboral ou, liberado de suas atividades domésticas, dispõe de tempo para costurar.

 

Ações de extensão universitária desenvolvidas pela Upat nos anos anteriores têm impactado o quadro de colaboradores do projeto. No ano de 2017, a Upat desenvolveu um projeto de extensão denominado “Técnicas principais para modelagem, corte e confecção de roupas”, destinado à comunidade acadêmica e a externa. O projeto oferecia cursos de capacitação para quem desejava aprender a costurar. Com objetivo semelhante, no ano de 2019, a Upat criou outra ação, o “Projeto capacitação em costura”. Hoje, duas voluntárias envolvidas na etapa de costura do projeto “Confecção de máscaras protetoras como medida de combate ao Covid 19”, proposta da Upat, foram capacitadas por projetos de extensão universitária.

 

Assim, evidencia-se que a extensão, como um pilar da ação universitária, quando é efetiva, alimenta outras atividades da universidade e contribui com o seu compromisso de responsabilidade social. Nesse sentido, a Upat vem capacitando os voluntários na atuação na produção das máscaras. Entre os meses de abril e maio de 2020, a unidade elaborou três oficinas, no formato online, que foram divulgadas na plataforma Youtube (@upatufrrj). Além das videoaulas, os voluntários contam com atendimento individual, via aplicativo de mensagem, para o esclarecimento de possíveis dúvidas e sugestões.

 

Distribuição das máscaras

 

Tendo como público-alvo inicial os funcionários da Universidade em atividade e os estudantes alojados, a Upat passou a atender outras pessoas com a ampliação dos recursos destinados à confecção de máscaras e com o aumento no quadro de voluntários.

 

Além da comunidade acadêmica do câmpus Seropédica, as máscaras têm sido destinadas a instituições de caridade, ONGs, ILPIs [Instituições de Longa Permanência para Idosos] da região e, em caráter excepcional, ao Posto Médico Central de Seropédica.

 

Expandido seu mapa de atendimento, a Upat, em parceira com Instituto Três Rios (ITR) e com apoio do setor privado, forneceu 450 máscaras de tecido 100% algodão a uma maternidade da cidade sul-fluminense.

 

Lembrando que a distribuição de máscaras só é possível graças às doações ao Fundo Fapur de Atenção ao Covid19 e ao empenho dos voluntários e da equipe envolvida no projeto.

 

Para mais informações: upat.uffrj@gmail.com ou @upatufrrj

 

Fonte: BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações Gerais: máscaras faciais de uso não profissional. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/NT+M%C3%A1scaras.pdf/bf430184-8550-42cb-a975-1d5e1c5a10f7. Acesso em 10 mai. 2020.


Postado em 26/05/2020 - 10:14
Skip to content